[release] Anna Prado: a mulher que falava com os mortos

A FEB Editora inicia neste mês de junho o lançamento de seus novos livros. A primeira obra desta nova fase é Anna Prado: a mulher que falava com os mortos

Sinopse Brasil, década de 1920. Fatos paranormais incomuns agitam Belém do Pará, provocando repercussão em nível nacional e internacional. Uma mulher protagoniza eventos, que vão desde efeitos luminosos à materialização de espíritos. Anna Prado é tema desta obra de caráter histórico, científico e doutrinário, que retrata as lutas, a vida e a mediunidade da grande pioneira dos fenômenos de efeitos físicos no Brasil. Apresentado de forma clara e suave, o livro conjuga fato e emoção, razão e espiritualidade superior, sem comprometer o denso conteúdo abordado, reunido em oito anos de meticulosas pesquisas.

Ficha Técnica Título: Anna Prado: a mulher que falava com os mortos Autor: Samuel Nunes Magalhães Páginas: 360 Formato: 16×23 cm Preço: R$36,00 Edição: 1ª, julho de 2012 ISBN: 978-85-7328-703-5

Entrevista – Samuel Nunes Magalhães

Qual é o legado da médium Anna Prado para o Espiritismo? Do ponto de vista da mediunidade, podemos dizer que o maior legado da Anna Prado foi o conjunto de fenômenos que ela protagonizou, que apontam para a imortalidade da alma e comprovam a comunicabilidade dos espíritos. Anna Prado foi a única médium brasileira que atuou no período das pesquisas científicas do Espiritismo. Já do ponto de vista espírita, ela deixou um exemplo de conduta, de dedicação ao ideal abraçado, porque atravessou muitas dificuldades, muitas lutas e, mesmo assim, prosseguiu no seu trabalho para cumprir a missão que a trouxe à Terra.

Os fenômenos de efeitos físicos continuam causando o furor que provocavam na década de 1920? A história do Espiritismo nos mostra que, no início, havia uma necessidade de se chamar a atenção da humanidade para a existência da alma. Então, é natural que, àquela época, os fenômenos tenham causado tanto estardalhaço. A ideia que os Espíritos nos passam é de que, no futuro, os fenômenos possam voltar a ser mais comuns, embora não causem mais esse furor, porque estaremos compreendendo melhor. Fora do Espiritismo, encontramos aqui e ali notícias de fenômenos dessa natureza. As pessoas sempre ficam curiosas; é natural.

Você presenciou algum tipo de fenômeno de efeito físico durante a pesquisa da obra? Eu não diria fenômenos de efeitos físicos, mas durante o trabalho de pesquisa e composição dos textos ocorreram alguns fatos que mostram a interferência da Espiritualidade. São fatos pontuais. Por exemplo, entrei na sala de periódicos raros da FEB e vi umas revistas sobre a mesa, nas quais identifiquei uma resposta que estava procurando sobre a questão do suicídio de Anna Prado. Hoje eu sei que aquilo foi uma espécie de dupla vista, porque a revista estava de lado e eu a vi de frente. Foi um fenômeno mediúnico.

O que podemos esperar da biografia? Eu gostaria de frisar que não se trata de uma obra apenas biográfica. O livro que nós estamos apresentando ao público é também uma obra de estudo, que traz um acervo muito grande de fenômenos espíritas e pode ajudar aqueles que se dedicam ao estudo, os que buscam compreender melhor o fenômeno e fortalecer sua fé, sua convicção na imortalidade da alma. Os fenômenos realmente apontam para isso. Mas quem vai dizer se a obra atingiu seu objetivo são os leitores.

O autor Cearense, Samuel Nunes Magalhães é entusiasta pesquisador da história do Espiritismo. Membro do Centro de Documentação Espírita do Ceará, fundou e presidiu os centros de Documentação Espírita do Amazonas e Pernambuco. No Ceará, fundou e presidiu o Centro Espírita Francisco de Assis e o Grupo Espírita Os Cireneus do Caminho, colaborando por muitos anos no Centro Espírita João Evangelista. Sua relação com a pesquisa histórica ganhou intensidade a partir do ano 2000, quando passou a morar em Manaus (AM). Autor de vários artigos históricos e doutrinários, coautor em diversos livros espíritas, publicou o livro Charles Richet – O Apóstolo da Ciência e o Espiritismo, pela FEB Editora.  Mora atualmente com esposa e filhos em Brasília, Distrito Federal.