O livro da Manjedoura a Emaús será lançado para o natal

O que podemos saber sobre o Jesus histórico? Em que cenário humano chegou sua mensagem e exemplificação? Como foram seus primeiros anos? E seus laços de família? Essas e outras dúvidas são respondidas neste livro que a FEB Editora preparou para este Natal. A proposta deste lançamento da FEB Editora é estudar a vida de Jesus de Nazaré e recriar a atmosfera histórica por meio de pesquisa, comparação entre relatos dos evangelhos e fontes espirituais reveladas mediunicamente.

A estrutura do livro obedece à sequência do nascimento e infância até o chamado período missionário, e deste à paixão e ressurreição de Jesus com o objetivo de relatar sua vida, seu exemplo de pacifismo, seus sábios exemplos e sua mensagem sublime de amor a Deus e ao nosso próximo.

Confira a entrevista com o autor

O livro Da manjedoura a Emaús foi escrito por Wesley Caldeira. Nascido em Montes Claros, norte de Minas Gerais.Ele é graduado em Direito e foi professor universitário. Iniciou seus estudos doutrinários em 1988, no grupo de juventude da Sociedade Espírita Allan Kardec (Montes Claros), tornando-se, mais tarde, presidente da instituição, na qual permanece atuando, com esposa e filhos. Ele também é expositor espírita,com palestras realizadas em várias cidades do Brasil.Confira a entrevista que fizemos com ele:

FEB Editora: Como foi a escolha do tema para o seu livro: Da manjedoura a Emaús?

Wesley Caldeira: Para o espírita, entre as matérias contidas nos evangelhos, a parte mais relevante é aquela que compõe o ensino moral de Jesus, pois conformar a própria conduta a essa moral é andar pelo caminho que vai ter à autoiluminação e à paz.A habitualidade de consultas às fontes de pesquisa espíritas e não espíritas foi me permitindo acumular variados registros sobre a vida de Jesus, que me ajudavam a entender melhor o alcance de Suas palavras e exemplificação.Em 2004, a ideia de escrever uma “Vida de Jesus” insinuou-se, persuasiva. Três anos mais tarde, a primeira sistematização do trabalho estava completa. O título, Da manjedoura a Emaús, pareceu-me capaz de traduzir o conteúdo e a abrangência do livro.

FEB Editora: Qual foi a inspiração e como foi o desenvolvimento do trabalho?

Wesley Caldeira: O encorajamento veio do prefácio do Espírito Emmanuel ao livro A caminho da luz, que ali disse: “Procuremos esforçar-nos por mostrar a verdadeira posição do Evangelho do Cristo”. Foi o que me sensibilizou ao trabalho, num plano bem menor, naturalmente, ao da competência e arte daquele admirado pensador espiritual. Foram estudadas e comparadas, na sucessão do tempo, as informações de mais de uma centena de livros espíritas e não espíritas, a fim de subsidiar o plano de trabalho idealizado. Quase noventa deles enriqueceram o texto, com citações diretas e indiretas. Depois de concluída a primeira sistematização da obra, nos cinco anos seguintes, o texto foi apresentado a companheiros mais experientes do Movimento Espírita, e, das sugestões, e reconstruções, o livro chegou a sua forma final. Especialmente, estou em dívida, pelas sugestões e apoio, com Antônio Barreto Filho, presidente da União Espírita de Vitória da Conquista (BA), e com o Dr. Wander Lemos, psiquiatra do Hospital Espírita André Luiz, em Belo Horizonte, que revisou todo o trabalho e identificou falhas e fez ótimas contribuições, com o toque de sua sensibilidade e seu profundo conhecimento do Evangelho.

FEB Editora: Você pode nos dizer sobre qual a diferença entre o Jesus histórico e o Jesus descrito na bíblia?

Wesley Caldeira:Os evangelhos são as mais valiosas fontes sobre a presença de Jesus na Terra. Ocorre, como é bastante sabido, que esses textos foram escritos para públicos distintos e se consolidaram em décadas distantes da crucificação de Jesus. Foram organizados a partir de tradições orais e de documentos esparsos e fragmentados que circulavam na igreja das origens, e com as memórias pessoais de alguns apóstolos. A preocupação com o Jesus histórico busca retirar a história de sob as necessidades apologéticas, que, algumas vezes, moveram os evangelistas, e busca encontrar Jesus por detrás dos enganos, dos mitos e dos ajustamentos teológicos que se agregaram aos fatos de Sua vida.

Os evangelistas não escreveram biografias, mas evangelhos, narrativas da Boa-Nova, pregações, testemunhos. Seus registros respeitam uma historicidade essencial da vida de Jesus, mas apenas essencial; por isso, essa historicidade é, por vezes, colidente, nos quatro evangelhos. A busca do Jesus histórico é uma investigação crítica que procura abrir caminho entre as narrativas dos evangelhos, para sondar o ponto de vista de seus escritores, separar os acréscimos apologéticos feitos às tradições primitivas e identificar os verdadeiros contornos dos eventos históricos que originaram essas tradições. Com isso, o que, às vezes, aparece in umbria nos evangelhos, pode ganhar boa luz com a ajuda da etimologia, da pesquisa arqueológica, da confrontação histórica e da crítica literária.

FEB Editora: Como a sua obra poderá ser aproveitada para os espíritas e simpatizantes? Wesley Caldeira: Como uma fonte de apoio ao estudo dos evangelhos e de O evangelho segundo o espiritismo, pois constitui um relato contextualizado e crítico da história de Jesus, que, acredito, aclara Seu ensino moral e a plataforma de Sua exemplificação. Ou, simplesmente, como leitura que enriqueça a espiritualidade das pessoas e lhes anime à fé, inspirando-as à confiança lúcida no convite irresistível: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba”.

FEB Editora: Sua obra tem relação com outras obras? Se sim, quais?

Wesley Caldeira: Sim. Antônio Lima (escritor, jornalista, expositor espírita, primeiro presidente da União Espírita Mineira) publicou, na primeira metade do século XX, pela Federação Espírita Brasileira, o seu Vida de Jesus. Emociona vê-lo se dirigir a Jesus, no livro, e dizer: “Com tinta, outros disseram da Tua obra. Eu, foi com soluços de arrependimento que escrevi e orvalhei estas laudas — foi em lágrimas de sangue que molhei a pena”. Na segunda metade do século XX, outro espírita eminente, Hermínio Correa de Miranda, escreveu Cristianismo: a mensagem esquecida, em que esse estudioso mergulhou em envolventes fatos da vida de Jesus, com sua erudição e invulgar competência de análise. Portanto, mãos mais hábeis, no Movimento Espírita, já se dedicaram a esse campo de estudos. Mas o leitor poderá verificar que o que fiz tem um plano próprio e uma abrangência diferente da dos trabalhos referidos.

FEB Editora: Poderia fazer um convite aos leitores para conhecerem a obra?

Wesley Caldeira: O último versículo do Evangelho segundo João declara que para contar, uma por uma, todas as coisas que Jesus fez necessários seriam tantos livros, tantos que o mundo não poderia conter as obras que se escreveriam.

Homens de vinte séculos escreveram sobre Jesus; e quanto a ninguém se escreveu mais do que a Ele.

Ouso entregar a você, leitor, outro estudo sobre fatos que Jesus viveu, coisas que fez e lições que ensinou. Espero que encontre nele uma contribuição para aproximar ainda mais seu coração da radiosa presença do Cristo, que tem o dom de fazer até “os desertos e lugares secos alegrarem-se, e o ermo exultar e florescer como o narciso”.

Título: Da manjedoura a Emaús Autor: Wesley Caldeira Assunto: Religião Edição: 1ª Ano de tiragem: 2014 Número de páginas: 316 Editora: Federação Espírita Brasileira

O livro pode ser adquirido aqui.