Zilda Gama

Zilda Gama foi uma das mais celebradas médiuns do Brasil. Nascida em 11 de março de 1878, em Três Ilhas, em Juiz de Fora (MG), ficou órfã aos 24 anos, tendo que assumir a direção da casa, cuidando de cinco irmãos menores e, posteriormente, de outros cinco sobrinhos órfãos. Ainda jovem, começou a perceber a presença dos Espíritos: recebeu mediunicamente mensagens de seu pai e de sua irmã, já desencarnados, que a aconselhavam e a consolavam nos momentos de provações difíceis. Em 1912, recebeu interessante mensagem assinada por Allan Kardec, que começou então a propiciar-lhe diversos ensinamentos, os quais foram impressos no livro Diário dos Invisíveis. Em 1916, Espíritos Benfeitores informaram-lhe que passaria a psicografar uma novela, fato que a deixou bastante perplexa. O Espírito Victor Hugo passou então a escrever por seu intermédio. Dentro de pouco tempo, a obra Na Sombra e na Luz estava completa. Posteriormente, sob a tutela do mesmo Espírito, vieram os livros Do Calvário ao Infinito, Redenção, Dor Suprema e Almas Crucificadas. Em 1959, após sofrer derrame cerebral, Zilda Gama viveu numa cadeira de rodas, assistida pelo sobrinho que lhe fazia companhia. Desencarnou em 10 de janeiro de 1969, no Rio de Janeiro. (Fontes: Personagens do Espiritismo e Reformador.)