Joanna de Ângelis

Responsável pela coordenação do trabalho mediúnico de Divaldo Franco, o Espírito Joanna de Ângelis publicou seu primeiro livro, Messe de Amor, em 1964. Sua produção literária tem, ao todo, cerca de 60 obras, todas psicografadas por Divaldo Franco.  Algumas de suas encarnações passadas são descritas e personalidades diversas são atribuídas ao Espírito de Joanna de Ângelis. Na época de Jesus, foi Joana de Cusa, esposa de importante autoridade romana, que já naquela época seguia os ensinamentos de Jesus. Séculos depois, se candidatou a viver com com Francisco de Assis a simplicidade do Evangelho de Jesus. No México, foi Juana Inés de La Cruz, jovem que contribuiu para a valorização dos estudos, inclusive para as mulheres daquela época. E no Brasil, foi Joana Angélica de Jesus, nascida em Salvador (BA) em 1761. Aos 21 anos, Joana Angélica ingressou no Convento da Lapa, tornando-se Irmã das Religiosas Reformadas de Nossa Senhora da Conceição da Lapa. Como abadessa do Convento da Lapa, em Salvador, defendeu suas irmãs e foi sacrificada na porta de entrada do mosteiro, a golpes de baioneta, quando tentava impedir que soldados do Império invadissem o Convento, durante as lutas pela Independência do Brasil, no dia 20 de fevereiro de 1823. (Fonte: A Veneranda Joanna de Angelis, Celeste Santos e Divaldo Pereira Franco.)