Ismael Gomes Braga

Nasceu no dia 12 de julho de 1891 na cidade de Córrego Alegre, no estado de Minas Gerais. Defendeu e promoveu com todo amor o Espiritismo e o Esperanto. Além de ser um dos maiores esperantistas em solo brasileiro, era poliglota, pois dominava diversos idiomas, entre os quais, o hebraico, o árabe, o inglês, o francês, o alemão e o espanhol. Foi professor de línguas antigas e modernas, apesar de não ter passado por nenhuma faculdade. Foi autêntico autodidata, graças a sua inteligência e força de vontade. Ismael Gomes Braga foi jornalista, colaborou na Imprensa leiga e em quase todos os jornais espíritas da época, tanto no Brasil, como outros países, participou de diversas entrevistas. O seu trabalho na Federação espírita Brasileira foi de grande importância, assumiu diversos cargos tanto na área espírita, quanto na esperantista. Editou livros de sua própria autoria e traduziu tantos outros. Sua colaboração no Reformador, como redator, foi efetiva, publicou artigos com mais de uma dezena de pseudônimos. Eis alguns dos pseudônimos usados por ele em seus artigos: Lincóia Araucano, Lino Teles, Osmar Brando, Cristiano Agarido. Elaborou dicionários Português-Esperanto e Esperanto-Português para facilitar o aprendizado da língua. Participou de Congressos, Simpósios e Cursos. No VIII Congresso Brasileiro de Esperanto, em Recife, em 1952, cuja abertura, na Federação Espírita Pernambucana, foi totalmente falado em Esperanto, ele foi o orador oficial, com o tema: “Os últimos serão os primeiros”, sendo muito cumprimentado pela mestria com que discorreu o tema. Desencarnou em 18 de janeiro de 1969 na cidade do Rio de Janeiro. (Fonte: Reformador, 2009.)