Emmanuel

O Espírito, que se identifica como “Emmanuel”, assina uma mensagem ditada em Paris em 1861, intitulada “O Egoísmo”, publicada no item 11 do capítulo XI do Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec, cuja primeira edição veio a público em abril de 1864. Quando indagado se Emmanuel era o mesmo espírito que assinou esta mensagem, o médium Francisco Cândido Xavier afirmou: “Creio que sim. Conservo para mim a certeza de que ele, Emmanuel, terá participado da equipe que colaborou na estrutura da codificação da Doutrina Espírita. A mensagem intitulada ‘O Egoísmo’, (…) em que se faz referência a Pilatos, é de autoria do nosso benfeitor espiritual, não tenho dúvidas a este respeito”. No dia 10 de julho de 1927, na fazenda da senhora Carmem Perácio, enquanto rezavam, Carmem ouviu uma voz de um Espírito que se identificou como “Emmanuel – amigo espiritual de Chico”, apresentou –se logo como “um jovem imponente, com vestes sacerdotais e aura brilhante”. No ano de 1931 ocorreu o primeiro contato de ambos, no momento em que Chico esteve à sombra de uma árvore, à beira de uma represa, no momento em que orava. Neste momento, viu uma cruz luminosa, percebendo a figura de um senhor que vestia uma túnica sacerdotal. Ocorreu então o famoso diálogo entre Chico e Emmanuel.  Sua contribuição com a FEB Editora foi com os preciosos títulos:  Ave Cristo!, Caminho, Verdade e Vida; A Caminho da Luz; Ceifa de Luz, 50 anos depois; Consolador (O); Emmanuel; Encontro Marcado; Fonte Viva; Há 2000 anos; Justiça Divina; Pão Nosso; Palavras de Emmanuel; Paulo e Estevão; Pensamento e Vida; Religião dos Espíritos;  Renúncia; Roteiro; Rumo Certo; Seara dos Médiuns; Vida e Sexo, Vinha de Luz. (Fonte: Desconhecida.)